Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março 14, 2017

A CASA OBLÍQUA - CAPÍTULO XIII

Um retrato em preto e branco. Cenário romântico. Luisa sentada num banco de praça. Vestido branco, gola em vê, enfeitada com uma corrente de ouro, com uma pequena medalha que lhe caía no colo. As pernas juntas, oblíquas, numa postura comportada. No ângulo detrás, um lago e patos enfiando a cabeça sob a água escura ou passeando garbosos, pontos brancos em movimento. Rápidos, aos olhos inquietos de Clara. Ele, a sua frente, com a máquina fotográfica, fazendo dela a sua musa. Aqueles rolos deveriam estar no baú, que nunca tivera acesso. Cida tomara conta, desfizera o segredo que aos poucos fora acalentado por Luisa. Odiava aquela mulher que a subjugara aos seus caprichos, tomando conta do que lhe era de direito. Imaginou que aquela fotografia deveria ter sido tirada por Saymon, numa tarde de primavera, talvez a mesma que Luisa lhe narrara com pormenores e tão cheia de emoção. E tudo acontecera tanto tempo depois da noite fatídica em que o salvara e por ele sofrera a discriminação da …