Pular para o conteúdo principal

Meu padrinho, o turfe e a laguna

Meu padrinho estava sempre disposto a levar-me ao hipódromo, a sua paixão. Eu, guri de 12 ou 13 anos, não me interessava muito pelo esporte, entretanto, aquele passeio de certo modo, representava uma liberdade de ação, da qual não tinha acesso à época, em virtude da severidade da disciplina paterna.

Meus pais muito severos no encontro com os colegas ou na eventualidade de passeios com desconhecidos, não permitiam passeio sozinho pela cidade, principalmente em lugares diferentes dos que frequentava. A possibilidade de me relacionar com meninos desconhecidos, de jogar bola nos campinhos de várzea, de me embrenhar pelas dunas próximas à laguna, geralmente criavam muitos conflitos.

Pois bem, meu padrinho significava essa liberdade, essa possibilidade de passear com ele, mas com o direito de fazer o que quisesse, ou seja, não participar das carreiras com as quais tanto se encantava. Eu aproveitava o momento para encontrar os amigos.

Naquela tarde domingueira, fui como de hábito ao jóquei-clube ao seu lado. Para mim, era uma pequena viagem, pois demorávamos muito a chegar. Lá, meu padrinho se ocupava dos conhecidos e eu aproveitava para sair. Deixava-o tomando uma cerveja e confabulando sobre o cavalo que sinalizava o melhor prêmio, ou mais previsível ou o azarão e me afastava, indo ao encontro dos meus melhores momentos.

Ali, bem próximo ao hipódromo, ficava a laguna, cujas margens contornavam a cidade em toda a extensão e naquele espaço não havia casas, mas muitas dunas, algum pequeno campo com areia onde jogávamos futebol e depois nos refrescávamos nas águas da prainha, deixando o futebol improvisado para a natação mais precária ainda.

Atravessávamos o lamerão, o chamado lodaçal que se desenhava numa ampla faixa para chegarmos á agua límpida da laguna e ali nos envolvíamos nas marolas e passávamos tanto tempo que nem percebíamos se era tarde ou cedo.

O problema era sempre a volta, cujas explicações não convenciam em nada meus pais pela roupa encharcada e suja ou pelos kichutes embarrados. Embora, muitas vezes, eu participasse do ambiente dos jogos, dos bilhetes, das apostas, da torcida, naquele cenário fervoroso do turfe, meu padrinho sabia que mais dia, menos dia, eu fugiria para aquele tufo de liberdade, do qual buscava como um cavalo marchador. Eu que me explicasse em casa. Sua alma, sua palma, dizia ele.

Outras vezes, saímos pela cidade. Ele costumava tomar café no mercado, tinha muitos amigos pelas redondezas e cercava-se do pessoal das ilhas ou mesmo dos amigos do turfe, que também frequentavam o lugar. Eu costumava observá-los e perceber que apesar da rudeza das argumentações, das conversas sobre a lida no campo ou no trato com os animais, ou mesmo entre aqueles, que como meu tio eram pequenos comerciantes, havia entre eles um elo de amizade muito grande, cuja sensibilidade revelava homens com maturidade humana muito forte. Percebia, nos discursos pouco estruturados, as informações que indicavam confiança na vida e no ser humano, que somente mais tarde a vida me revelaria.

Por vezes, observava-o sorver o café devagar, enquanto saboreava o pastel frito na hora e de vez enquanto, tentava me incluir nas conversas. Esse guri estuda muito, é muito dedicado, vai ser grande coisa na vida. E dava um meio sorriso que às vezes parecia revelar uma certa desconfiança, misturada com orgulho. Na verdade, ele acreditava que eu teria uma profissão digna, mas talvez não conseguisse projetar em suas percepções simples, o que realmente eu faria na vida. Estudar já bastava.

Era um homem tímido, mas ao mesmo tempo de muitos amigos. Eu gostava de sua presença, gostava da companhia e deixava outros companheiros para ficar ao seu lado.

Talvez aquele misto de liberdade, aquela volta na laguna, o encontro com os amigos, o encantamento nas corridas do jóquei-clube, simbolizassem para mim um homem que aproveitava o lado bom da vida com uma certa leveza difícil de se aceitar nos dias de hoje, e de certo modo, indicava um caminho, me deixando livre para também acolher o que a vida me oferecesse.

Um bom homem.

Fonte da ilustração: Escritor, poeta e fotógrafo Wilson Rosa da Fonseca.

Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…

PIOLHOS DE RICO

Há quem adore rico. Certamente não àquele rico de fachada, que aparece toda semana nas páginas de socialite dos jornais ou fazendo campanhas de benemerência, sob alcunhas de bons moços e gente de bem. Gente chic que veste nos grandes magazines (sic) e se atualiza em grifes de marketing.
Há os que adoram gente rica, e não são pessoas ruins ou cidadãos menores. São apenas simplórios.
E também não há nada contra os verdadeiramente abonados, que construiram suas fortunas e obtiveram seus bens com seu trabalho, aumentaram seu patrimônio ou investiram nos que lhes foi legado de direito.
Mas há os que grudam nos ricos, diria que são verdeiros piolhos de rico, cono costumava dizer um colega de trabalho, talvez um pouco incomodado pela sabujice de um ou outro companheiro.
Mas analisando a situação, percebi que piolho de rico é aquele que está sempre grudado numa pessoa abonada, em qualquer esquina que vá, em qualquer cruzeiro pra lhe dar as boas idas (e vindas), em qualquer festa de bodas em …