Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho 15, 2016

MORTE LENTA

Cai a noite. Por certo, os meteorologistas se preparam para as últimas informações sobre o clima. Nada do que palmilhar os mapas da mente e descobrir o clima interior, este tão próprio, tão intimo, tão vulnerável.
Pudera seguir o caleidoscópio da paixão. Sentir o calor que se abrasa em meu ser frágil.
Pudera ver as novas vertentes das cores que se abrem, misturadas às múltiplas facetas do mundo que se explora.
Mas está frio aqui dentro. Lá fora também.
A noite é intolerável.
A noite é uma mulher má, austera, fria. Sem consolo. Nem lágrimas derretem seu coração. Meu coração, certamente se derrete mais no gelo do que no calor. Mais um dia, ou melhor, uma noite, em que me coração ficará sozinho, disforme no sofá rasgado da sala.
Por que não tenho um gato para se aninhar nos meus pés e aquecer meus tornozelos? Um gato submisso, que me espia atrás da poltrona, enlaça seu rabo de leve no pé da mesa e passeia pela sala ao meu encontro.
Não, não tenho gato. Não gosto de gatos, nem de crianças…