Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro 20, 2015

APRESENTAÇÃO E SINOPSE DO ROMANCE “O DOCE BORDADO AZUL” PUBLICADO ÀS TERÇAS E QUINTAS NO BLOG

Todas as terças feiras e quintas publico neste blog um ou dois capítulos em sequência do romance “O doce bordado azul “, de minha autoria. É um romance de 30 capítulos, os quais pretendo postar até o início do mês de dezembro, deste ano.
Este romance foi uma tentativa de representar a alma feminina, o que foi bem difícil para mim, através de mulheres com histórias e perspectivas bem diferentes entre si. Começo com a protagonista Lúcia, que tem uma relação quase simbiótica com a mãe, ao mesmo tempo que se acha superior em suas atitudes, podendo inclusive manipulá-la, mas na verdade, o contrário ocorre, pois Laura, a mãe, parece ter ferramentas bem mais sedimentadas em sua mente perturbada.
Compondo o universo feminino, temos Bárbara, a bailarina que volta de Minsk, a capital da Bielorrússia, cujo marido morrera num trágico acidente. Lá, morando num condomínio ocupado pelos foragidos do desastre nuclear de Chernobyl, onde criaram um bairro com vários prédios de apartamentos, ela vivera f…

O DOCE BORDADO AZUL - CAPÍTULOS 8º E 9º

Todas as terças-feiras e quintas publicarei capítulos em sequência do romance "O doce bordado azul". A seguir dois capítulos, o 8º e o 9º capítulo.(20/10/2015) Capítulo VIII
A morte é definitva
Descia do ônibus às pressas e quase correndo, entrava em casa, aflita com a possibilidadede não mais ver Ana e pelo fato de desconhecer que havia morrido. Afinal, que espécie de amigas eram elas que nem se encontravam, nem sabiam nada umas das outras, que passavam o tempo completamente alienadas, preocupadas com o seu próprio umbigo. Não gostava da morte. E se ocorria, como no caso de Ana, era uma perda que não pudera cultivar, que não pudera chorar, ao menos. Não se despedira. Na verdade, foram amigas durante um tempo determinado, desde a infância até o final da adolescência, e aos poucos, foram se afastando. Ela que se acomodara a viver naquela casa, com a mãe, sem grandes ambições, participando de sua vida, vivendo-a como se fosse a sua.
A sala estava às escuras, por isso, titubeou …